.INT. [41.11]

 (flauta, clarinete, violino e violoncelo/flute, clarinet, violin & cello)


pt

Esta obra surge do convite a mim endereçado pelo Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, na pessoa do clarinetista Luís Gomes, sendo dessa forma originalmente escrita para esta formação específica, Flauta, Clarinete, Violino e Violoncelo. O clarinete apresenta-se preponderantemente como solista, embora não totalmente, onde os restantes instrumentos acabam por ser de certa forma contagiados por toda a actividade inerente ao primeiro. A Obra está directamente ligada ao conceito de obra aberta, sendo que várias secções desta permitirem diversas formas de interpretação, e onde parte das decisões são tomadas pelo intérprete. As secções contrastantes são provenientes de uma ideia de instabilidade e inquietude que percorre toda a obra.

en

Piece commissioned by the clarinetist Luís Gomes to the “Grupo de Música Contemporânea de Lisboa”, thereby the piece is originally written for this specific ensemble, Flute, Bb Clarinet, Violin and Cello. The clarinet is presented primarily as a soloist, although not totally, then the other instruments start to be somehow infected by the first. The piece is directly linked to the concept of “open music”, and various sections of this are open to various forms of interpretation, where part of the decisions are taken by the performer. The contrasting sections come from a sense of instability and unease transversal to all piece.