pt
Olhando para a frente e para trás, à procura de um equilíbrio, entre o quê ?! Não posso aceitar a distância. Obra para clarinete baixo solo e grupo de câmara. Dedicada ao clarinetista Luís Gomes, e ao Grupo de Música Contemporânea de Lisboa.

en
Looking back, looking forward, seeking balance, between what ?! I can’t accept distance. Work for bass clarinet solo & chamber ensemble. Dedicated to the clarinetist Luís Gomes, and “Grupo de Música Contemporânea de Lisboa”.

pt
A obra assenta numa das mais fortes influências musicais que tenho, a música do Norte de Africa, possível de descrever das mais diversas formas. O resultado obtido é proveniente do cruzamento dessa influência com a ideia particular que tenho acerca do músico singular para quem a obra é escrita e dedicada, Luís Gomes.

en
This piece is based on one of the strongest musical influences that I have, the music from North Africa, possible to describe in many different ways. The result is derived from this influence with the particular idea that I have about the singular musician for whom the work is written and dedicated, Luís Gomes.

pt
Não tenho grandes memórias acerca da ideia conceptual que está na base desta obra. Apenas me consigo lembrar de “frases soltas”, “palavras soltas”. Depois, esse material, foi alvo de inúmeras abordagens e proliferações, dando origem a esta música mais ou menos “solta”. Obra dedicada ao Grupo de Música Contemporânea de Lisboa (GMCL).

en
I don’t have great memories about the conceptual idea of this piece. I just remember “loose sentences”, “loose words.” That material was the subject of numerous approaches and proliferation, giving rise to this music, more or less “lost”. Work dedicated to Grupo de Música Contemporânea de Lisboa (GMCL).

pt
Esta obra surge do convite a mim endereçado pelo Grupo de Música Contemporânea de Lisboa (GMCL), na pessoa do clarinetista Luís Gomes, sendo dessa forma originalmente escrita para esta formação específica, Flauta, Clarinete, Violino e Violoncelo. O clarinete apresenta-se preponderantemente como solista, embora não totalmente, onde os restantes instrumentos acabam por ser de certa forma contagiados por toda a actividade inerente ao primeiro. A Obra está directamente ligada ao conceito de obra aberta, sendo que várias secções desta permitirem diversas formas de interpretação, e onde parte das decisões são tomadas pelo intérprete. As secções contrastantes são provenientes de uma ideia de instabilidade e inquietude que percorre toda a obra.

en
Piece commissioned by the clarinetist Luís Gomes to the “Grupo de Música Contemporânea de Lisboa (GMCL)”, thereby the piece is originally written for this specific ensemble, Flute, Bb Clarinet, Violin and Cello. The clarinet is presented primarily as a soloist, although not totally, then the other instruments start to be somehow infected by the first. The piece is directly linked to the concept of “open music”, and various sections of this are open to various forms of interpretation, where part of the decisions are taken by the performer. The contrasting sections come from a sense of instability and unease transversal to all piece.