pt
As pulsares são conhecidas como os “faróis” do universo, são estrelas de neutrões rotativas que emitem de forma regular um feixe concentrado de radiação eletromagnética que só é visível a quem estiver no seu caminho. É nesta ideia de pulsação regular, que assenta a concepção desta obra para quinteto de sopros. Por vezes cinco pulsares em pontos distintos do universo, e outras vezes a convergência para um só ponto de encontro, a Pulsar.

en
Pulsars are known as the “beacons” of the universe; they are rotating neutron stars that regularly emit a concentrated beam of electromagnetic radiation that is only visible for those in their path. It is in this idea of regular pulsation, that is based the conception of this piece for woodwind quintet. Sometimes five pulsars at different points in the universe, and sometimes the convergence to a single point, the Pulsar.

Read More

pt
Sobre as qualidades e defeitos de todos nós, contam-se histórias de moral. Mas porque o Homem é um ser complicado, inventou-se a fábula, para ilustrar comportamentos que se revelam mais simples se forem protagonizados por personagens animais. Sejamos crianças ou crescidos, todos percebemos o falso desdém da raposa por debaixo de umas uvas deliciosas, as quais deseja mas não alcança. Reconhecemos a imprudência da Doninha que se deixa apanhar gorda na despensa da comida, quando sabia poder fugir se fosse capaz de vencer a gula. Quantas vezes lembramos a constância da tartaruga e o precavido zelo da formiga? São pequenas narrativas como estas que devemos a Esopo, ainda dos tempos da Grécia Antiga, e mais tarde a Jean de La Fontaine, que já no século XVII lhes destinou uma popularidade verdadeiramente universal. (…) sendo esta a minha abordagem musical, que tenciona acima de tudo ser sóbria.

en
About the qualities and defects of all of us, we are told stories of morals. But because man is a complicated being, the fable has been invented to illustrate behaviors that are simpler if they are played by animal characters. Let us be children or grown-up, we all perceive the fool’s false disdain beneath some delicious grapes, which he longs for but does not reach. We recognize the recklessness of the Ferret that lets herself get fat in the food pantry, when she knew how to escape if she could overcome gluttony. How many times do we remember the constancy of the tortoise and the zealous care of the ant? They are small narratives like these that we owe to Aesop, still from the times of Ancient Greece, and later to Jean de La Fontaine, who already in the seventeenth century gave them a truly universal popularity. (…) being this my musical approach, which intends above all to be sober.

Read More