words


Por baixo di a porta hai luz

Ao princípio pareceu-me ser o vento a bater nas canas, ou no alto dos sobreiros, ainda que imagino que deve ser raro, o vento, bem entendido. Mas agora que escuto melhor, parece-me ouvir mais lá ao fundo, as enxadas a bater na terra, para lá do cante, bem ao longe.

ler mais

Maud’Adib

Embora ainda houvesse pouco tempo que o sol tinha surgido no horizonte, a energia que dele emanava e o calor que se fazia sentir eram já praticamente insuportáveis.

ler mais

Paráfrase

A evolução nunca pode acontecer se apontar sempre no mesmo sentido, necessita de se expandir em todas as direções.

ler mais

Eis a questão

De uma conversa com um amigo, irmão, surge uma reflexão que se prende com as diferentes formas de encarar a música.

ler mais

A colcheia que não coxeia

A notação musical é para mim um código que transmite parcialmente a nossa arte dos sons. Existe uma parte que não me compete a mim, enquanto compositor “codificar”, é nessa parte que reside a magia desta arte.

ler mais

Acerca das Nuvens

Sim, parecia mais um daqueles dias de chuva, típicos de um inverno dos quais só tenho uma memória muito vaga, quando os invernos eram mesmo a sério.

ler mais

AINULINDALË a música dos Ainur

Havia Eru, o Único, que em Arda se chama Ilúvatar; ele fez primeiro os Ainur, os Sagrados, que eram filhos do seu pensamento e que estiveram com ele antes de alguma coisa mais ser feita. E falava-lhes, propondo-lhes temas de música; e eles cantavam perante ele, que ficava satisfeito. Mas, durante muito tempo, cantavam só um de cada vez, ou pouco juntos, enquanto os restantes escutavam, pois cada um compreendia apenas aquela parte da mente de Ilúvatar donde proviera e só lentamente ia compreendendo os seus irmãos. No entanto, todas as vezes que escutavam, adquiriam uma compreensão mais profunda, e a sua unissonância e harmonia aumentavam. E veio a acontecer que Ilúvatar reuniu todos os Ainur e lhes comunicou um tema portentoso, mostrando-lhes coisas maiores e mais maravilhosas do que até então lhes revelara; e a gloria do seu começo e o esplendor do seu fim de tal modo maravilharam os Ainur que eles se curvaram diante de Ilúvatar e ficaram silenciosos. Então, Ilúvatar disse-lhes: “Do tema que vos anunciei quero agora que façais juntos, em harmonia, uma grande música. E, como acendi em vós a chama imperecível, demonstrareis os vossos poderes no adorno deste tema, cada um com os seus próprios pensamentos e engenho, se assim quiser. Mas eu ficarei sentado e escutarei e feliz me sentirei por, através de vós, grande beleza ter despertado num canto.”

J.R.R. Tolkien